Sonhei com minha namorada e transei com um amigo

Depois de ter estado no Algarve, com minha assistente, e a subgerente, da Sucursal da Empresa, no final-de-semana seguinte, não tive Namorada, pois esta trabalhou sábado e domingo, resolvi então ir para meu Bungalow, junto à praia, mas só, e sem grandes ideias.
Cheguei ao Parque, fiz o chech-in, e uma das Senhoras, ao ver-me disse:
Sr. Kapa, este sábado vem só? Não está cá ninguém conhecido.
Respondi:
– Ainda bem, assim posso descansar tranquilo.
Deu-me a chave e lá segui, parando logo no bar, onde bebi uma geladinha, seguindo para casa.
Aqui abri logo as janelas, pois estava fechado á uns dias, tinha cheiro a fechada, e como estava calor, sempre ia arejando um pouco.
Fui ver o resto da casa, arrumei meu quarto, tirei a camisa, e estiquei em cima da cama.
Foi tiro e queda. (deixei logo dormir)
Quanto tempo passou, nem imagino, a verdade é que fui acordado, por umas mãos, que ora subiam, pelas costas, ora pelas pernas, fazendo carinhos em meu rabo.

Pois era o Manuel da Autocaravana, soube na entrada, que Eu tinha entrado só, e deveria estar em casa.
Estacionou a Autocaravana e veio cumprimentar, como não respondi, mas a porta estava aberta, Ele entrou, para ver se estava tudo bem, ao ver-me deitado, veio até junto a Mim, para ver se Eu estava vivo.
Viu que Eu respirava, resolveu ver se estava mesmo a dormir, ou a fingir, começando por fazer carinhos pelas costas, com a ponta dos dedos.
Segundo depois Ele me disse; – Eu mexi, mas fiquei na mesma posição, (pudera, possivelmente estava a sonhar, imaginando que era minha Namorada)
Como fiquei na mesma posição, Ele foi se esticando, fazendo mais carinhos, até que resolveu baixar meu calção, e passou a língua em meu rabinho (coisa que minha namorada adora fazer).
Como Eu não reagisse, encostou sua Pila, em meu rabinho, e começou a esfregar-se, molhando-o todo.
Aí dei um pulo, e saltei da cama, assustado.
Manuel deu uma gargalhada, e disse:
– Calma rapaz, sou Eu!
Caímos numa risada os dois, e começamos na conversa, voltando Eu a sentar na cama, onde o cumprimentei, e Ele contou como tudo tinha acontecido.
Decidimos então ir jantar, pois já passava da hora.
Saímos, e fomos ao Restaurante do Parque, onde comemos um Bitoque cada, com duas geladinhas, café, e ficamos na conversa um bom tempo.
Já eram mais de 22horas, quando resolvemos ir até sua Autocaravana, pois lá além de café, também há whisky.
Antes passamos por minha casa, onde fechei as janelas e desta vez a porta.
Chegado à Autocaravana, logo nos metemos à vontade, retirando as camisas, fizemos o cafezinho, e estivemos a beber, junto com o whiskyzinho, e um cigarrinho, fomos falando o que temos feito, como estava a vida, essas coisas, que só dois homens falam.
Até que às tantas, Manuel começou a fazer carinhos em minha perna, e Eu na dele.
Dai a nada, levantamos e fomos até ao quarto.
Ai despimos o calção, e começamos num esfreganço doido, e sempre aos beijos de boca, um no outro.
Entretanto caímos na cama, na posição de 69, e começamos a lamber e chupar a Pila um ao outro, sofregamente, ao mesmo tempo, que íamos acariciando o buraquinho um do outro.
Manuel, entretanto levanta-se e diz:
– Kapa mete no meu rabinho, hoje quero sentir tua Pila em Mim!
Ai levantei, peguei o “Gel durex play”, besuntei bem seu rabinho e depois minha Pila.
Fui então, encostando a cabecinha em seu buraquinho, e fazendo uma certa pressão, logo foi entrando, bem devagar.
Manuel gemia e pedia:
– Mete todo Kapa, mete, quero-o sentir bem no fundo, aiii, mete.
Fui entrando cm por cm, até encostar em suas costas, aí parei.
Voltou Ele a pedir:
– Fode-me o cu, fode, estou a precisar de o sentir, a entrar e sair, fode-me uiiii tão bom.
Peguei então, sua cintura, e comecei ora a sair, ora a entrar, de início, bem devagar, com Ele sempre a pedir mais, e gemendo.
Depois peguei um dos ombros, com uma mão, e com a outra, fui acariciando seus mamilos.
Ele delirava e pedia, mete fundo, mete, aiii que bom Kapa, dá com força, dáaa.
Não me estava a dar vontade de dar com força, pois comecei a sentir que meu gozo, estava a chegar, portanto ia indo devagar, até ao fundo, mas devagar.
Às tantas pedi-lhe:
– Mete-te de frango, mete, quero ver tua cara, poder beijar essa boca.
Ele disse, que sim, e sai de dentro, para Ele se poder meter na posição, desejada.
Eu já babava muito, por isso, quando Ele se meteu na posição, cai de boca, primeiro em sua Pila, depois passei a língua em seu buraquinho, e ai Ele gemeu gostoso e pediu:
– Enfia Ele agora, enfia, quero-o todo dentro de Mim!
Eu assim fiz, levantei suas pernas, metendo por cima de meus ombros, e fui enfiando de novo, cm por cm, quando todo dentro de seu buraquinho, cai por cima Dele, e começamos aos beijos na boca, carinhos com minhas mãos em sua cara, orelhas, e ora entrava, ora saia, Ele fazia-me o mesmo, e dizia:
– Fode o meu cu, fode, dá gostoso nele, aiiii sinto-o todo Kapa, aiiiii, estou a adorar esta nossa fodinha, ai aiii aii, fode.
Eu, ora subia, ora descia, até bem ao fundo.
Às tantas, Manuel começa a gemer mais alto, e diz:
– Kapa, vou gozar, goza Tu também bem no fundo de meu cu, goza, goza Kapa.
E nisto, sinto nossas barrigas, ficarem molhadas, com o gozo que saia da Pila de meu Amigo, não aguentei mais, e sinto minha Pila engrossar, nisto, puxo-o bem contra Mim, e digo:
– É agora Manuel, vou gozar também, aiiiiiiiiii uiiiiii gozo, gozoo aiiiiiii gozo Amigoooo
E sinto meu Leitinho, a sair de minha Pila, e espalhar-se na tripinha de meu Amigo.
Nessa hora, Manuel cruza as pernas nas minhas costas, apertando-me contra si, e assim ficamos, abraçados e aos beijos, muitos beijos.
Estivemos assim, até minha Pila ficar molinha, e sair deste rabinho bem gostoso, trazendo algum de meu Leitinho.
Limpamos o melhor possível, e ficamos deitados, lado a lado, deixando-nos dormir.
Acordamos, passava das 6 horas da manhã, apagamos as luzes, e voltamos a deixar dormir, até de manhã.
Ao acordar, tomamos um banho, vestimos e fomos ao bar tomar o pequeno-almoço, seguindo até à praia, onde estivemos toda a manhã, regressando para o almoço.
Findo o almoço, fomos até à Autocaravana, onde voltamos a fazer um cafezinho, junto com um whiskyzinho e respectivo cigarro, e onde falamos sobre a noite anterior.
Manuel contou-me, que desde que nos conhecemos, que andava com muita vontade de ter uma noite, como a anterior, só comigo, para poder dar-me o cu como me deu, mas…
Aí perguntei:
– (…mas)?
Ele disse a seguir:
– Mas também te quero comer, ora!
Eu: – Há pensei, que não, rss…
Ele: – Gostava de Te comer, como na nossa primeira vez!
Eu: – Como assim?
Ele: – Deixar duas Leitadas na mesma foda, lembras?
Eu: – Se ainda tiveres a genica dessa vez, porque não?
Ele: – Será que aguentavas?
Eu: – Se Eu aguentava? Tu, é que terás de aguentar, conseguir gozar duas vezes, não é para todos!
Ele: – Vamos experimentar?
Eu: – Agora?
Ele: – Sim!
Eu: É pá, é melhor à noite, agora anda muita gente aqui perto, pode dar barraca, que dizes?
Ele: As janelas, estão fechadas, não passa o som para fora, depois temos os estores, ninguém vê nada, cá para dentro, o carro tem os macacos arreados, também não dança, ao sabor das fodinhas, por isso, que dizes?
Eu: – Se assim o dizes, cá por Mim, seria para já!
Nisto, Ele dá uma golada no resto do whisky, e puxa-me dando logo um valente beijo, segue para o quarto, e de lá diz:
– Vens ou não, hen?
Fiz o mesmo, dei uma golada no meu whisky, e segui para o quarto, onde Ele já estava totalmente nu.
Despi e deitei junto Dele, começando logo aos beijos e no esfreganço, Pila com Pila, e mão no rabo.
Ficamos assim, algum tempo, até que Manuel vira-me de barriga para baixo, e começa a lamber e fazer carinhos, por minhas costas, começando no pescoço, orelhas, coluna, laterais, até que chega a meu rabo, aqui mordeu minhas badanas, molhou meu buraquinho com a língua, ao mesmo tempo, que passava as pontas dos dedos em minhas badanas.
Eu arqueava meu corpo, fazendo meu rabo subir de encontro a sua língua.
Entretanto, Manuel encosta a cabecinha babona, em meu reguinho, e passa-a de cima para baixo, de baixo para cima, nunca tocando em meu buraquinho.
A esta altura, Eu estava a ficar com um tesão danado, e já louco gemia e pedia:
– Mete Ele logo, enfia esse caralho em Mim, enfia, quero sentir essa cabeça a arreganhar-me!
Ele riu, e disse:
– Ainda é cedo, quero-te fazer sofrer primeiro.
E nisto, dá-me uma palmada numa badana, que aposto ouviu-se na rua.
Gemi, arqueei o corpo, e pedi de novo:
– Fode-me por favor, fode aiiii quero sentir esse caralho.
Voltou a lamber o meu buraquinho, ao mesmo tempo, que passava as unhas, pelas minhas costas, (mas ao de leve).
Minha Pila estava por baixo de Mim, e já babava.
Ele então, numa hora, que Eu arquei o corpo, puxou minha Pila, ficando ao comprido, entre minhas pernas, ai Ele começou a mamar minha Pila, e apertava meus testículos, fazendo-me gemer, nem sei, se de dor, se de prazer.
Depois saiu de cima de Mim, e meteu-se na minha frente, pedindo-me:
– Levanta a cabeça, e chupa meu caralho.
Eu assim fiz, apoiei-me nos cotovelos, e passei a lamber a cabecinha.
Ele gemendo, agarrou minha cabeça, e começou a enfiar a Pila, como se minha boca fosse uma ratinha, ora enfiava tudo, ora saia, para voltar a enfiar até aos testículos, o que me dava ânsias, mas esteve assim algum tempo.
Quando cansou, voltou para cima de Mim, e começou a encostar a Pila em meu cu, que já piscava com vontade, de o sentir entrar.
Buscou então o “Gel durex play”, besuntou bem meu buraquinho, sua Pila, e depois começou a enfiar, bem devagar cm a cm.
Ao sentir Ele a descer, a cabecinha passar meu anelinho, comecei a gemer e ao mesmo tempo pedi:
– Aiii tão bomm, vaiiii uii tão bomm, fode-me, fode crido, fode o meu cu, aiiiii
Ele: – Pede para fuder o cu do meu Veado, pede, Veado, não, Paneleiro, pede; fode o meu cu de Paneleiro, pede!
Eu assim fiz:
– Aiiiiiiiiii, fode, fode o meu cu de paneleiro, fodeeee aiiiii fode o cu do teu paneleiro, a tua bicha, fode aiiii.
Ele passou-se, começou a ir até ao fundo, para sair de repente, e voltar a entrar até ao fundo, cada vez com mais força.
Eu sentia-me uma bicha autêntica, sentia gozo, um prazer doido, nunca sentido antes.
E Manuel, cada vez, dava com mais força, gemia mais que Eu próprio, além de gemer bastante, e uma vez, por outra, lá repetia:
– Fode o cu do teu Paneleiro, fode, goza dentro, goza, dá-me leitinho, dá meu macho!
Quando disse: – (dá meu macho) Manuel passou-se de vez, pois começou a dar palmadas, ora em uma badana, ora na outra e dizia:
– Quem é o paneleiro do macho, quem é?
E Eu disse de novo:
– Aiiii fode, fode aiiiii que bommm, fode o cu do paneleiro, fode meu macho, dá leitinho no cu do paneleiro, mau macho…
Ele com esta, começou a dar ainda com mais força.
Eu só sentia aquela Pila, entrar e sair a uma velocidade alucinada, até que senti, a Pila inchar, meu cuzinho, pareceu dilatar para o dobro, e nisso, senti vários jactos de Leitinho invadir minha tripinha, parecia não parar de entrar leitinho, dentro de Mim.
Com esta, Manuel, gemeu alto e disse:
– Caralho, gozooo gozzoo, vou esporrar no cu do meu Paneleiroooooo aiiiiiiiiiiii.
E nisto caiu sobre Mim, e dando um beijo no pescoço, disse no ouvido:
– Kapa, nunca gozei com hoje, és o máximo.
Ainda esteve por cima de Mim, um pouco mais, mas depois saiu de dentro de meu cu, viramo-nos de lado, e beijamo-nos loucamente.
Depois baixou-se, e metendo minha Pila em sua boca, lambeu e chupou de tal maneira, que em menos, de nada, Eu gozei, bem no fundo de sua garganta, não tendo sobrado nada.
Depois voltamos aos beijos, e assim ficamos, muitos minutos.
Não repetimos, tomamos banho, comemos alguma coisa dentro da Autocaravana, e já vestidos, saímos até ao paredão junto à praia, onde estivemos a conversar, até resolver, irmos para casa.
Ao despedirmo-nos disse-lhe que se tudo corresse bem, dali a quinze dias voltava ao Parque, possivelmente acompanhado, pois estava a apetecer ir dar um mergulho.
Ele riu e disse:
– Quem sabe, Eu também venha.
E assim, cada um se foi…

Mundo Erotico Gay

O Mundo Erótico Gay trás para você o melhor conteúdo adulto com qualidade e totalmente gratuito. Nos momentos de tesão conte com agente para aquela punheta gostosa e bem safada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *