Templates by BIGtheme NET
   
Home » Contos Eroticos Gay » Diego o putinho favorito dos garotos na escola – conto real

Diego o putinho favorito dos garotos na escola – conto real

Como servidor público Municipal, trabalhava como monitor num colégio do subúrbio. Lidar com adolescentes do ensino fundamental, não é nada fácil, principalmente na periferia, mas sempre soube lidar com os jovens.
Eu era instruído a fiscalizar o banheiro masculino, pra proibir sacanagens, mas mesmo tendo flagrado várias vezes, dois e até três garotos trancados no mesmo box, nunca delatei ninguém pra diretoria. Assim, além de ganhar a confiança dos garotos tambem satisfazia meus desejos libidinosos de voyer. Me excitava ao entrar num box e ver preservativos no chão, cheios de porra e cagadas por fora. Paredes e portas rabiscadas de sacanagens, como qualquer banheiro público. Notei que o nome q mais prevalecia em todos os boxes era um tal de Diego. Coisas como:”Diego chupou meu pau aqui”; “Diego sentou na minha pica”; gozei no cu do Diego, etc… No dia seguinte, pesquisando discretamente descobri que Diego era um lindo moreninho safado. Era difícil acreditar, que aquele garoto discretinho e sério era a frutinha do Colégio, nunca o tinha visto em curriolas na hora do recreio. Até que certo dia, quando todos estavam em sala de aula,vi Diego descer as escadas e entrou no banheiro falando ao celular, em seguida desceu dois garotos da oitava série e entraram no banheiro. Dei um tempo e entrei atrás e sem fazer barulho encostei o ouvido na porta do único box fechado e ouvi:” aahhh…aiii Alex,passa mais cuspe” “abaixa pouco…abre bem o cu”, “anda logo, porra, tá demorando muito”(voz do outro) por uns cinco minutos fiquei ali de pau duro, só ouvindo gemidos e sussurros, depois Alex falou:” vai agora André, ja gozei” ” aaiiiiii André…devagar hummm…seu pau é muito grosso” “tô indo na frente hein”. Me escondi no box ao lado, Alex saiu primeiro e minutos depois Diego e André saíram juntos. Fui no box onde estavam e vi a tampa do vaso e o chão respingados de porra. Ali mesmo bati uma pra me aliviar. No dia seguinte na hora do recreio, vi Diego sentado sozinho na escada comendo um sanduíche. como quem não quer nada me sentei ao seu lado e disse:” você é bem guloso hein!”. Ele sorriu e me oferecendo um pedaço do sanduiche, disse que estava sem fome. Coloquei a mão em suas costas e com naturalidade falei:”to me referindo a você ontem a tarde no banheiro com Alex e André! “. Mas aborrecido que surpreso, ele me olhou e disse:” ja sei que foi o linguarudo do André que contou pro senhor”. Desci mas a mão e acariciando suas costas, disse:”foi não, vi quando vocês entraram e fui lá conferir”.
Me olhando com carinha de sonso, pediu:” poxa tio, por favor ,não conta pra diretora,prometo não ir mais lá com eles”. Escorreguei o dedo mindinho pra dentro de sua bermuda, até o reguinho e sorrindo perguntei:” e comigo você vai?, prometo que fica sendo nosso segredo”, então tá, quando for quatro horas vou pedir a tia pra ir no banheiro”. Pisquei pra ele beliscando sua bundinha, ele riu e saiu correndo ao ouvir o sinal. As quatro em ponto eu já estava dentro do banheiro, quando ele entrou correndo. Fomos pro último box que estava interditado, sem descarga. Ali trancados desci a roupa e mostrei a pica dura. O safadinho pegou, apertou e murmurou:” nossa tio, que pirocona!”. Sem que eu mandasse ele foi logo abocanhando e chupando feito um bezerrinho faminto . Desci sua bermuda e fiquei maravilhado com linda bundinha Lisa e morena. O cuzinho nem penugem tinha, deslizei o dedo pra dentro do cuzinho suado fazendo o guri suspirar piscando o anelzinho. Sabia que aquilo era uma loucura,podia ser flagrado,mas o tesão falava mais alto. Em dois minutos eu já estava quase gozando, então tirei a pica babada sua boquinha e mandei que virasse a bundinha. Ele obedeceu apoiando as maos no vaso deixando a bunda bem empinada. Era uma visão maravilhosa, abri duas nadegas e vi o cuzinho piscando. Meti lingua e nariz dentro da rosquinha deixando bem salivado então, Diego pediu: “deixa em sentar no seu pau!?”. sentei no vaso, ele virou de costas e arreganhando o cu com as duas mãos sentou devagar. Encaixou a cabeça dá rola na portinha e rebolando foi agasalhando. —hummm…iisssss,aaiii q pau gostoso—murmurou entre gemidos. Apertando o biquinho do seu mamilo, eu delirava vendo meu pau sumir dentro da linda bundinha. Logo Diego começou a cavalgar, sentando com força. Não aguentei e gozei abraçando e beijando seu pescoço. Depois de esvaziar o saco voltei à lucidez.-levanta, vai pra sala e não conta pra ninguém, disse. Ele se levantou, vestiu a bermuda e sorrindo deu um tchau e saiu correndo. Como os outros garotos, peguei a caneta e escrevi na porta, com garranchos.”Hoje comi o cuzinho do Diego aqui”. Foi apenas a primeira de várias outras vezes. O mulek viciou na minha pica.

2 comments

  1. Muito bom essas histórias hehe. Conte mais flagras do Diego, eu vou adorar ler

  2. eu adoro empinar a bundinha e levar muita rola no cu,055984365485.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*